Configurar teclado ABNT-2 do Ultrabook Lenovo t430u

Se você tem um Ultrabook Lenovo T430u com teclado abnt-2 (com o ç) mas as teclas de ? / º não funcionam, essa dica é para você 🙂

– Configuração do Teclado para o padrão pt-br com special keys

Criar o arquivo .xsessionrc na home do usuário

nano ~/.xsessionrc

e inserir o conteúdo abaixo

#!/bin/bash
setxkbmap -model thinkpad60 -layout br

Salve e sair do arquivo.
Reinicie o X (logoff) e logue-se novamente.

Abre um terminal/console e teste as teclas / ? ç entre outras especiais.

Slackware Show

SlackWare Show 2010
Pessoas,
acontecerá entre os dias 20 e 21 de agosto (2010) o Slacware Show. O evento será realizado no Rio de Janeiro e contará com palestras e workshops diversos como:

  • Arduino
  • Perl
  • Cluster
  • Firewalls
  • Monitoramento
  • entre outros!
  • Mais informações diretamente no site do slackware show (slackshow.slackwarebrasil.org )

    Infelizmente não poderei ir ao evento por estar trabalhando durante esses dias mas irei ao menos dar apoio de alguma forma como por exemplo, o streaming para transmissão ao vivo do evento.

    Contribuindo com OpenVZ Web Panel

    Eiaaaa pessoas!!!

    Estou escrevendo hoje sobre um assunto que já venho trabalhando a bastante tempo porém, ainda não fiz nenhum post a altura.
    Virtualização

    Sabemos que há vários documentos na internet sobre o assunto e por isso não vou estender quanto as opções e sim quanto a ferramentas.
    Vou tratar em especial de uma ferramenta que me chamou e muito a atenção por sua facilidade de uso e leiaute.
    OpenVZ Web Panel
    OpenVZ Web Panel é um interface WEB desenvolvida para controlar servidores físicos que utilizam a tecnologia de virtualização pelo software OpenVZ.

    OpenVZ Web Panel

    Veja alguns screenshots do OVZ Web Panel em ação em http://code.google.com/p/ovz-web-panel/wiki/Screenshots

    Estamos trabalhando em uma rede heterogênea que conta com servidores CentOS, Debian e Slackware distantes fisicamente em algumas partes do globo.
    O Fato de ter que gerenciar máquina por máquina nos deixa um pouco vagaroso e podem até complicar algumas de nossas demandas. Procuramos ferramentas simples e descomplicadas para gerenciar nosso parque de Máquinas virtuais e acabamos por optar pelo OpenVZ em conjunto com o OVZ Web Panel. Após obter retornos positivos do Alexei, mantedor do software, decidimos trabalhar em conjunto com ele e hoje somos responsáveis pela tradução pt_BR e pelo desenvolvimento da tradução para espanhol. Também criamos patches e reportamos bugs para a equipe de desenvolvimento.
    O OpenVZ Web Panel é desenvolvido utilizanod o framework Ruby on Rails e é de fácil manutenção até mesmo pelos menos experientes em RoR.
    Após 1 semana de estudos em RoR desenvolvi algumas melhorias e conseguimos comitar algumas melhorias.

    Suas principais características são:
    – Criação de VM
    – Instalação de SO apartir da interface WEB
    – Configuração do sistema (Endereço IP, Hostname, Senha de root entre outras)
    – Iniciar, pausar, parar, reiniciar, reinstalar VM
    – Backup
    – Sincronização
    – Definir usuários responsáveis por grupo de VMs
    – Executar comandos através da interface web (comandos shell)
    – Gerenciamento de memória, espaço em disco, consumo de cpu, etc…
    – Instalação de novos templates de SOs
    – Suporte a Português Brasileiro (100% traduzido em linguagem de fácil compreensão)
    Todas essas opções podem ser executadas em servidores OpenVZ e VMs locais e remotas.
    Ou seja, através de uma única interface posso gerenciar qualquer um dos meus servidores espalhados pelo globo.

    Quem tiver interesse em instalar/testar o OVZ Web Panel, pode ir diretamente no site do desenvolvedor e obter maiores informações.

    OpenVZ Web Panel -> http://code.google.com/p/ovz-web-panel/
    OpenVZ -> http://wiki.openvz.org/Main_Page

    Multi-Funcional HP no CentOS (Review da instalação)

    Pessoal,
    recentemente comprei uma Multi Funcional HP Deskjet F4480 em uma bela ( 🙂 ) promoção no Extra. R$ 220,00
    HP Deskjet F4480

    Pois bem,
    Vim para o escritório, abri a caixa, montei tudo direitinho e pronto.
    * Lembre-se que essas HPs não vem com cabo USB. Portanto, se você for comprar um desses equipamentos, verifique se você já tem o cabo de alguma outra impressora velha ou compre um na loja.

    Após plugar ela em uma das estações de Trabalho com Ubuntu, foi necessário atualizar o Hplip (software da hp para linux) e tudo funcionou.

    No caso do CentOS, tive que atualizar algumas coisinhas básicas. Como alguns já sabem, o CentOS é uma distribuição baseada no RedHat Enterprise Linux e portanto, não vem com as últimas atualizações/versões dos softwares.
    Caso você utilize outra distribuição, verifique na sessão de “manuais de instalação” do próprio site do HPLIP
    http://hplipopensource.com/hplip-web/install/manual/index.html

    Pondo tudo para funcionar.

    1 – Pré requisitos
    Para realizar a instalação, faz-se necessário ter a senha de root

    2 – Resolvendo as Dependências
    a – Ferramentas de Desenvolvimento
    Acesse o menu “Aplicações”
    em seguida, “Adicionar/Remover Programas”
    Marque a caixa “Ferramentas de Desenvolvimento” e clique em Update.

    b – Dependências do HPLIP
    Abra um terminal e digite:
    su -c “yum -y -d 10 -e 1 install cups cups-devel gcc-c++ ghostscript libjpeg-devel glibc-headers libtool libusb-devel make python python-devel PyXML openssl-devel net-snmp-devel policycoreutils-gui PyQt PyQt-devel dbus-python notify-python sane-backends sane-backends-devel sane-frontends xsane python-imaging python-imaging-devel”

    c – Pre-instalação
    No terminal e digite:

    su -c “rpm -ev –nodeps libsane-hpaio”
    su -c “rpm -ev hplip-gui”
    su -c “rpm -ev hplip”
    su -c “rpm -ev hpijs”

    d – Crie um link simbólico para o libcrypto

    su -c “ln -s /lib/libcrypto.so.0.9.8b /lib/libcrypto.so”

    3 – Desabilite o SELINUX
    ainda no terminal, digite
    su -c system-config-securitylevel
    Será solicitada a senha de root. Digite-a e você verá uma caixa com as opções:
    Opções do Firewall e SELinux
    Selecione a aba SELinux e na opção “Ajuste do SELinux” selecione a opção “Desabilitado”
    Clique em Aplicar e depois em OK.

    4 – Download do Hplip
    Vá até o site do Hplip
    e baixa a última versão do Hplip.
    No momento em que escrevi este tutorial, a última versão era a 3.10.5
    então, iremos utilizar a versão 3.10.5 como exemplo.

    5 – Instalação
    Supondo que o download do hplip já foi realizado e o arquivo encontra-se no seu desktop, faremos o seguinte:
    a – abra um terminal
    b – va até a pasta Desktop
    digite no terminal: cd ~/Desktop
    c – descompactar o arquivo
    tar -zxvf hplip-3.10.5.tar.gz

    será criada uma pasta chamada hplip-3.10.5
    d – entre na pasta criada
    cd hplip-3.10.5

    e – Configure o hplip para instalação
    Para o CentOS 32 bits (maioria dos usuário) digite o comando abaixo no terminal.
    ./configure –prefix=/usr –with-hpppddir=/usr/share/cups/model/HP –enable-qt3 –disable-qt4 –disable-hpcups-install –disable-cups-drv-install –disable-cups-ppd-install –enable-hpijs-install –enable-foomatic-drv-install –enable-foomatic-ppd-install –enable-foomatic-rip-hplip-install –disable-fax-build –disable-dbus-build –enable-network-build –enable-scan-build –disable-policykit

    para o CentOS 64 bits digite este outro comando
    ./configure –prefix=/usr –with-hpppddir=/usr/share/cups/model/HP –libdir=/usr/lib64 –enable-qt3 –disable-qt4 –disable-hpcups-install –disable-cups-drv-install –disable-cups-ppd-install –enable-hpijs-install –enable-foomatic-drv-install –enable-foomatic-ppd-install –enable-foomatic-rip-hplip-install –disable-fax-build –disable-dbus-build –enable-network-build –enable-scan-build –disable-policykit

    Caso não apareça nenhuma mensagem de erro, passe para o passo seguinte. Se ocorreu algum erro, verifique os passos anteriores.

    f – Rode o comando make
    No terminal, digite o comando
    make
    aguarde alguns minutos pois o comando pode demorar a executar completamente.
    Caso não ocorra nenhuma mensagem de erro, passe para o passo seguinte. Se ocorreu algum erro, verifique os passos anteriores.

    g – Instalação “propriamente dita”
    no terminal, digite o comando abaixo:
    su -c “make install”
    Caso não ocorra nenhuma mensagem de erro, passe para o passo seguinte. Se ocorreu algum erro, verifique os passos anteriores.

    h – Adicione seu usuário ao grupo lp (impressoras)
    digite o comando abaixo no terminal
    su -c “usermod -a -G lp username”
    Obs: troque o username pelo nome do seu usuário.

    Ex. se meu usuário é kram3r, o comando ficará
    su -c “usermod -a -G lp kram3r”

    Ok?
    vamos ver!

    desconecte o cabo usb da impressora, encerre a sessão (sistema -> sair) e entre novamente com seu usuário e senha.
    Conecte o cabo usb da impressora.

    Deverá aparecer um gerenciador de impressoras querendo configurar o equipamento em questão.
    Cancele esta ação.

    Vá até um terminal e digite:
    su
    Informe a senha de root

    digite: hp-setup

    Será aberto o gerenciador da hp
    basta preencher os dados e testar a impressora e o scanner.

    Se quiser ver imagens passo a passo deste processo, acesso: http://hplipopensource.com/hplip-web/install/manual/hp_setup.html

    Lembrando que para utilizar o scanner, temos dois softwares exelentes!
    o kooka e o xsane

    Qualquer dúvida pode ser postada na área de comentários e irei responder o mais rápido possível.

    Abraços!

    Dica de instalação do CentOS via Rede (Internet)

    Hoje precisei instalar o CentOS em uma Máquina Virtual – VirtualBox. Resolvi utilizar a instalação via Rede. Para entender melhor esse “via Rede“, pense em instalação “via Internet“. O processo de instalação não é tão óbvio quanto o do Debian ou do OpenBSD mas é fácil.
    De boot pelo cd de instalação do CentOS.
    Caso você queira utilizar a instalação em modo gráfico, simplismente aperte “Enter“.
    Se desejar utilizar a instalação em modo Texto, digite no prompt de boot, “linux text“.

    lembro ainda que o arquivo de imagem da instalação em modo gráfico, tem 105Mb e dependendo da sua conexão, isso poderá demorar algumas horas. Na minha conexão de 700kbps, demorou algo em torno de 1h e 30min. Recomendo a opção em modo texto para quem tem conexões abaixo de 512kbps ou que desejem perder o minímo de tempo possível ou ainda, tenha conhecimento um pouco mais avançado. A imagem no caso da instalação em modo texto, é de 38Mb.

    Ao iniciar a instalação, selecione as opções desejadas (idioma, teclado e configurações de rede). Quando solicitar o tipo de mídia de instalação, selecione HTTP.
    Após selecionar a instalação via HTTP, será solicitado o nome ou ip do servidor e o diretório que contém os arquivos de instalação. Preencha com os dados abaixo:
    Nome do Servidor: centos.pop.com.br
    Diretório de instalação: /5.X/os/i386/images/ (troque o 5.X pela versão do CentOS que você baixou – Ex. 5.1, 5.2, 5.3, 5.4 ou 5.5).

    Caso queira utilizar outro mirror, acesse http://www.centos.org/modules/tinycontent/index.php?id=32 e altere o nome do servidor.
    Tudo preenchido? continue a instalação!
    Lembre-se, isto pode demorar um bocado dependendo da sua conexão com a internet.
    Após o sistema realizar o download do instalador, a instalação é a mesma coisa de sempre! Isso, caso você já tenha instalado algum linux na vida. Se você nunca instalou, procure algum tutorial na net e tente instalar utilizando o VirtualBox.

    Quase uma hora após o início da instalação, veja quanto tempo falta!!! 165minuto 😦
    *** tive que selecionar a instalação junto com o gnome por causa de uma dependências do Oracle para instalação gráfica.

    Instalação do CentOS via NetInstall
    Instalação do CentOS via NetInstall

    Referências:
    CentOS-> http://www.centos.org
    VirtualBox-> http://www.virutalbox.org
    Mirrors do CentOS-> http://www.centos.org/modules/tinycontent/index.php?id=32

    Configurar linux ppp via serial (DB9 RJ45)

    Realizar conexao entre um linux (serve para bsd’s) e equipamentos via cabo null modem (db9-rs232 e rj45)
    é relativamente fácil, porém, não há documentação suficiente na internet que aborde o assunto diretamente.
    Alguns exemplos para uso dessa configuração são conexões à equipamentos:
    PortServer (Digi)
    KVM (Cyclades, Cisco, Hawey e outos)
    Conexão a modems LP (Diversas marcas)

    portanto vamos direto ao ponto.
    Pré-Requisitos
    Cabo Null Modem (DB9 – RJ45) (esse DB9 no padrão RS-232)
    Usuário e senha para acesso PPP
    Suporte a PPP no kernel
    Porta serial disponível

    Lembrando que aqui trataremos ttyS0 como porta de conexão porém caso utilize a ttyS1 altere somente o que for chamado de ttyS0 para ttyS1
    * ttyS0 = COM1
    * ttyS1 = COM2

    Edite ou crie caso não exista, o arquivo /etc/ppp/pap-secrets com o seguinte conteudo:

    USUARIO * SENHA *

    agora, edite ou crie caso não exista, o /etc/ppp/options.ttyS0 com o seguinte conteudo:

    9600 (velocidade do modem)
    crtscts (Controle de Fluxo)
    defaultroute
    noipdefault
    noauth
    modem
    user USUARIO (aqui, vc vai colocar o nome do usuario que vc colocou no arquivo pap-secrets)

    Pronto!
    agora basta conectar utilizando o pppd como visto abaixo

    /usr/sbin/pppd /dev/ttyS0 nodetach

    deve mostrar algo como:

    Connect: ppp0 /dev/ttyS0
    local IP address 192.168.1.1
    remote IP address 192.168.1.2

    tente acessar o equipamento desejado ou dar um ping.

    Até lá!